DEPOIMENTOS

Tenho dois filhos biológicos e sempre tive vontade de adotar uma menina.

Eu passei por algumas dificuldades para concretizar a adoção da minha filha, por isso resolvi, junto com diversas outras pessoas, fundar e participar ativamente de um grupo de apoio à adoção que pudesse promover uma troca de experiências entre famílias adotivas, além de ser um local de apoio e orientação aos que desejam adotar, sem nenhuma forma de preconceito.

Eu acredito nos designios de Deus e em tudo que me acontece consigo ver Sua mão .

Tenho dois filhos biológicos e sempre tive vontade de adotar uma menina.

Passei por várias barreiras, mas vejo que foram experiências válidas, que servirão de aprendizado para mim mesma e para outras pessoas.

Toda mães sonha em ter um filho perfeito, bonito, inteligente, etc… mas na hora em que os olhares se cruzam, você intui se é o seu. Não importa a cor, tipo de cabelo, saúde, histórico de vida. Nada importa além do amor… o que conta é o “daqui para frente”.

E assim foi que eu trouxe minha filha para casa e, de imediato nossa pequena Stéfany foi cercada de muito amor por toda a família, apesar de muito judiada pela vida de abandono, passou a estar sempre sorrindo.

Stéfany tinha 2 anos e pesava 9,5 Kg, portanto estava 5 quilos abaixo do peso normal e muito debilitada.

O que faria agora? Por onde começar a luta?

Meu marido, grandioso homem, mesmo não sendo então seu desejo adotar, respeitou meu desejo e amou nossa filha no mesmo momento em que a viu.

Hoje, nossa filha é uma menina dócil, amável, ativa, inteligente, bonita e tão normal quanto qualquer outra criança da sua idade.

Porém em especial : Uma enviada de Deus!

Sandra Amaral

Luiz e Angelica. Muito sofrimento e muita FÉ!

Querida Amigas do Grupo de Apoio à Adoção ” De Volta Pra Casa”,
Gostaria que vocês soubessem que eu não deixei nem um dia de agradecer a Deus por vocês existirem, hoje posso olhar para trás e conseguir ver que sobrevivemos, em meio as tempestades da vida Deus sempre envia seus anjos para nos ajudar, a Sandra deve se lembrar em meados de setembro de 2008, mais ou menos 2 meses que eu estava sem minha filhinha num daqueles dias que eu pensei que não suportaria viver, que por mais que eu lutasse não havia nada que eu pudesse fazer para
trazer minha filhinha para casa, recebi um telefone, eu estava muito confusa, mal conseguia falar, com tanto sedativo, mas havia uma mulher que eu não conhecia, falando de um grupo de apoio de Divinópolis, mas de repente ouvi alguma que recuperava minha vontade de viver novamente, essa grande mulher “Sandra” me disse muitas coisas, mas a mais importante foi, NOS VAMOS TRAZER SUA FILHA DE VOLTA, eu não sabia como mas a partir daquele telefone, tudo mudou, Sandra moveu céus e terra daquele momento gente de todo o pais estava me ligando, desde a uma dona de casa, a senador da republica , todos em uma única causa, trazer minha filhinha de volta para casa, muitas coisas vivemos juntas neste 4 meses perdemos muito. Mais até o dia do julgamento em que a Sandra saiu correndo daí (Divinopolis) com a Sinhá Bina, para me acompanhar no julgamento em que nós tínhamos certeza que iríamos ganhar, mas perdemos, foi terrível so de lembrar me dói o coração e as
lágrimas vem ao olhos, foi terrível desde aquele momento Sandra me disse você vem amanha para Divinópolis e nos vamos arrumar o melhor advogado que existir, mas você terá sua filhinha de volta, em meio a uma luta desconhecida, a falta da minha filhinha, só foi possível com a ajuda de vocês, eu devo a minha filha a vocês.

Fui para Divinópolis conheci uma família fabulosa e uma pessoa muito especial a Miriam e o que mais me comovia era que todas essas pessoas não me conheciam mas me receberam como se eu fosse amiga de infância, me apoiaram me deram esperança e me ergueram, eu não seria capaz sem vocês! Então me levaram ao encontro de um homem muito poderoso e eu
ouvia de todos ai que se não fosse com este advogado eu jamais conseguiria, fique desesperada que fui encontra-lo junto com a Miriam, me faltou o chão, precisava de muito dinheiro e eu não trabalhava e meu marido trabalhava duro mas todas as nossas economias já havíamos gostado com o processo que já arrastava quase 1 ano, me lembro de estar no corredor do prédio do Dr. Expedito com a Mirian quando não consegue ficar de pe e ela chorou comigo, eu pensei:

– Invadiram minha casa, arrancaram a minha filhinha do peito, eu amamentava, e só vou te-la de volta se tiver muito, muito dinheiro, então falamos com a Sandra e novamente ela me disse : NÃO SE PREOCUPE NÃO VAI SER POR DINHEIRO QUE VOCÊ VAI FICAR SEM SUA FILHA, organizou uma reunião com Dr. Carlos, Dr. Expedito, a Miriam, Regina e Ela, e após aquela reunião os eu já tinha o melhor advogado do pais e o melhor suporte que alguém poderia ter, todos os dia após aquela data lutamos juntos eu não estava mais sozinha havia um grupo de pessoas, com seus afazeres, suas vidas ocupadas, mas que me ligava, me dava tudo o que eu precisava desde a um bom dia a dinheiro para pagar as despesas do processo, eu nunca vou me esquecer de vocês, lutamos muito passei a estudar e a buscar tudo sobre adoção, estava ali juntinha do advogado entrei a todos os lugares possíveis, fui a inúmeras sessões do tribunal aprendi muito, principalmente a acreditar que existe pessoas
caridosas que dar sem querer nada em troca.

E vocês estiveram ali ao meu lado por meses ate quando fomos a Brasília e além de todo o suporte ainda pagaram nossas (despesas) e passagens etc, ai passou a existe um outro anjo, fabuloso que não pensou em si em nem um momento e sim em justiça o Dr. Carlos, após todo o trabalho do Dr. Expedito que foi incrível, eu serei eternamente grata a ele. Eu realmente tenho o melhor advogado do pais, foi o que voces me disseram, e eu acreditei. STF autorizou a volta da minha filhinha para casa no ultimo dia útil do ano após as 18 horas e desde aquele momento eu e o Dr. Carlos passamos quase 48 horas no telefone
sem contar que era véspera de natal todas as pessoas estavam envolvidas com seus problemas, mas ele não. Colocou sua cara a tapa, envolveu-se muito com todos que simplesmente não queriam cumprir a determinação do STJ, essa foi a pior parte. O medo, o cansaço, a impotência me fazia sofrer muito, nunca vou poder retribuir tudo o que vocês fizerem, todos vocês e muitos anônimos que me ajudaram a ter minha amada filhinha, vocês me ensinaram a amar, a ser forte, a ter mais fé, a acreditar nas pessoas. Ainda após todo este sofrimento, a Regina que me amparou em sua casa em pleno recesso natalino onde fui
fugida com medo de perder minha filha novamente.

Agora 11 meses após esse terrível período, minha filhinha esta aqui ao meu lado, sendo amada e amando, amparada, ensinando e aprendendo, e ela e fantástica, e como eu sempre disse poderia ate dar outra mãe para a Laura, mas ela sempre seria minha filhinha, eu sempre acreditei nisto a Laura não nasceu do meu ventre, mas isto e só um detalhe perto de tudo que vivemos juntas, nos amamos incondicionalmente, fazemos tudo juntas, e hoje eu vivo por ela, e ser mãe adotiva e só um titulo que os outros nos dá, por que eu sinto tudo ou mais que uma mãe biológica, eu fiz e faço tudo o que for possível e impossível pela
minha filhinha.

E sempre, sempre vou ser grata por todos vocês e sempre! ainda este ano poderemos nos encontrar e vocês conhecerem a minha filhinha.

Beijos

Angélica Braz

Luiz e Angélica.

O pequeno Gabriel, uma criança encantadora!

Tudo aconteceu quando meu marido foi transferido para a Barra da tijuca, morávamos em Niterói, onde pela distância e trânsito tivemos que mudar para Jacarepaguá, bairro próximo a Barra. Sou auxiliar de enfermagem e sempre tive a vocação de ajuda ao próximo, causas sociais, e quando já morando em Jacarepaguá resolvi procurar algo que pudesse ocupar meu tempo, pois não trabalhava, somente cuidava de dois filhos que na época tinham 9 e 11 anos, Kaio Higor e Victor Hugo respectivamente, então como tinha meu tempo vago pela manhã horário em que meus filhos estudavam, resolvi conhecer um abrigo no bairro de nome Lar Maria de Lourdes, que cuida apenas de crianças deficientes, onde chegando ao local fiquei impressionada com a situação, jamais tinha visto algo tão impressionante, crianças em estado vegetativo, situação realmente muito lamentável, não exitei, me ofereci de imediato como voluntária daquele abrigo que tanto precisa de pessoas que possam contribuir no dia a dia daquelas crianças, oferecendo ajuda, como dar comida e banho, que é uma das grandes dificuldades daquelas pequenas criaturas que não sabemos porque pagam o preço de serem escolhidas por Deus para a situação em que vivem, porém acreditamos que Deus sabe o que faz.

Neste abrigo, morava o pequeno Gabriel, uma criança encantadora, portadora de uma doença chamada mielomeningocele associada a escoliose, porém esta doença não afeta sua memória, uma criança perfeita da cintura para cima, em que a partir daquele momento começamos nosso relacionamento. Buscando oferecer uma vida um pouco mais alegre a esta criança, comecei a leva-lo aos finais de semana para minha casa, onde se iniciou o grande relacionamento familiar, o Gabriel começou a participar de todas as programações familiares, pegávamos na sexta feira no abrigo e as segundas feira retornávamos para o abrigo, isso durou aproximadamente 3 anos.

Nosso filho mais novo o Kaio Higor, é uma criança com um diagnóstico de hiperatividade, sempre tivemos dificuldades com ele na escola, seu comportamento nos trazia reclamações e convites para sua saída das escolas, uma preocupação com sua adolescência e sabendo que poderia ser uma presa fácil ao mundo das drogas, resolvemos pedir uma transferência do Rio de Janeiro, e ficamos em uma situação embaraçosa perante ao nosso querido Gabriel, como faríamos, qual a decisão a ser tomada, então em uma reunião em família, tomamos a decisão, em que consideramos a mais acertada em toda nossa vida, todos foram favoráveis, o Gabriel tem que ir, e assim começou nossa luta para lhe oferecer uma condição de vida mais justa a sua situação ou mesmo sua doença.

Fomos transferidos para a cidade de Limeira-SP, conseguimos a guarda provisória do Gabriel, neste momento o Gabriel já tinha sido transferido para um outro abrigo Lar Fabiano de Cristo, em que nos possibilitou essa guarda, partir daí foi possível credencia-lo ao nosso plano de saúde, desde então inciamos uma trajetória de cirurgias visando corrigir algumas deficiências físicas e que prejudicavam sua saúde ao ponto de termos que enfrentar uma das cirurgias com a retirada de um dos rins e comprometimento em 30% do outro, confesso que ficamos apavorados, mas Deus é maior e ofereceu ao nosso anjo a condição de manter seu agora, único rins, porém foi uma maratona de 9 cirurgias em alguns casos de 8 a 13 horas de duração.

Graças ao nosso bom Deus as cirurgias foram realizadas, em alguns casos houve rejeição, foram realizadas novamente com sucesso e recentemente recebemos a noticia do médico que podemos iniciar o trabalho de levantar o Gabriel, ou seja, colocar aparelhos onde esses possam possibilitar que o Gabriel venha a andar através de muletas, noticia essa que muito nos alegra e que contamos com Deus para que nossa proposta que é oferecer uma vida digna e justa ao nosso anjo e que ele venha a ser um homem independente e capaz em sua trajetória.

O Gabriel sofreu as seguintes intervenções cirúrgicas: Liberação do quadril, coluna/colocação de 02 hastes, retirada de um dos rins, retirada de um testículo, restirada de um pedaço do intestino para ampliação da bexiga, coluna, correção da coluna e cirurgia no fêmur.

Agradecemos a Deus pela oportunidade de podermos te-lo em nossa família, onde a alegria predomina em nosso lar, hoje não sabemos viver sem ele, continuamos nossa luta, agora com a possibilidade da adoção uma vez que durante todo esse período ainda não conseguiram sua guarda definitiva, mas acreditamos que isso será possível, sabemos que a justiça do homem é lenta mas a de Deus é justa.

Agradecemos a todas as pessoas que contribuíram em nossa luta, pois sem elas jamais teríamos conseguido, em especial ao Lar Fabiano de Cristo que tem sido sempre presente em nossa luta.

Rogéria & Gabriel - Amor incondicional

default gravatar

Adoção é uma barriga sem tempo de espera.

Agradeço à Deus em primeiro lugar, aos anjos são Miguel e Arcanjo, a Nossa Senhora Aparecida e a todos que contribuíram nessa minha caminhada.

Tenho dois filhos biológicos uma moça de 30 anos e um rapaz de 24 anos e um filho do coração de 5 anos, mas para mim e para a minha família não existe diferença, pois são a minha vida.

Nunca pensei em adotar, mas Deus colocou esta criança em minha vida para eu cuidar, pois só ele sabe o quanto eu tinha e tenho amor para dar para esta criança. E um amor incondicional, pois essa experiência foi uma das melhores da minha vida, em todos os aspectos.

Pedro, meu filho do coração era o pedaço que faltava em minha vida. E para toda a minha família ele é a pedra mais preciosa do nosso tesouro.

Não só sentimos isso por ele, como ele também nos retribui da mesma forma. Para nós é o que importa, ver brilhar nos seus olhos a felicidade. Como ele mesmo diz: “- Eu tenho um tantão de família por isso sou feliz.”

Mas nada foi fácil, foi muita lágrima, sofrimento, dores, angústias…, mas o importante é que não desisti, pois meu filho estava em primeiro lugar.

Hoje, graças à Deus tudo o que eu e minha família passamos acabou. Meu filho hoje não tem nenhum tipo de problema, é uma criança saudável e muito feliz..

Diante deste meu depoimento, espero que as pessoas que pretendem adotar nunca desistam, pois estas crianças estão atrás de um amor incondicional.

Adoção é uma barriga sem tempo de espera, pode ser rápida ou demorada, mas quando chega a felicidade transborda e ai vemos que todo o tempo que esperamos não foi tão demorado assim, porque daqui para frente todo o tempo do mundo vai se tornar pouco para curtir esta felicidade.

Desejo a todos esta mesma felicidade que tenho.

Regina Motta.

Regina Motta.